Objetivos

Registrar

Click edit button to change this text. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit.

Bloco 3

Click edit button to change this text. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit.

Bloco 2

Click edit button to change this text. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit.

Ameaças

Click edit button to change this text. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit.

Serra do Espinhaço

O complexo montanhoso Serra do Espinhaço é considerado a única cordilheira brasileira. Com cerca de 1.500 km de extensão entre os estados de Minas Gerais e Bahia, este conjunto de dobramentos geológicos que datam de mais de 2,5 bilhões de anos abriga um grande número de espécies endêmicas. Nesta região ocorre mais da metade das espécies animais e vegetais ameaçadas do estado de Minas Gerais.

A Serra do Espinhaço localiza-se na interseção de três biomas brasileiros, dois dos quais considerados hotspots de biodiversidade, a Mata Atlântica e o Cerrado. Além da exuberância e da beleza de suas paisagens naturais, a elevada biodiversidade e a presença de uma fitofisionomia frágil, com baixa capacidade de se recompor –única no mundo –, denominada Campos Rupestres, deram à região o título de Reserva da Biosfera pela UNESCO em 2005.

Soma-se à importância biológica o fato de que este maciço é de vital importância para diversos rios, entre os quais o São Francisco, o Doce, o Jequitinhonha, que são responsáveis pelo abastecimento de mais de 50 milhões de pessoas. Os répteis, como as serpentes e lagartos, e os anfíbios, como os sapos, rãs e pererecas, são importantes componentes de diversos processos ecológicos, atuando no controle de populações animais e também compondo a base da cadeia alimentar. Por essas razões, são animais fundamentais para a manutenção do equilíbrio e a saúde dos mais variados ecossistemas.

Seguindo a nova tendência na elaboração de estratégias para a conservação de espécies ameaçadas de extinção o Plano de Ação Nacional para a Conservação dos Répteis e Anfíbios Ameaçados de Extinção na Serra do Espinhaço – PAN Herpetofauna do Espinhaço baseia-se em um recorte geográfico, abrangendo um maior número de espécies e uma área de 31.814 km2, correspondente a área da Reserva da Biosfera da Serra do Espinhaço.

Trata-se de um esforço conjunto com a sociedade, por meio do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (Portaria ICMBio/MMA nº 316/2009), voltado ao estabelecimento de uma política pública para a conservação deste rico patrimônio.

Espécies Alvo

Heterodactylus lundii

Espécie rara, este lagartinho tem de corpo bem comprido, membros curtos e vive entre o folhiço no chão da mata.  Está ameaçada de extinção.

Placosoa cipoense

Descoberto em 1966, o lagartinho-do-Cipó é considerado uma espécie rara e ameaçada de extinção. Vive sob troncos caídos e em frestas de pedras nos campos rupestres a mais de 900 m de altitude.

Physalaemus maximus

A rã-berro-de-boi ganhou este nome por causa do seu canto, que lembra o mugido de um bezerro. Esta é a maior dentre as cerca de 50 espécies do gênero Physalaemus – vem daí o ‘maximus’ do seu nome científico. Esta espécie é rara e considerada ameaçada de extinção.

Espécies Beneficiadas

Bokermannohyla martinsi

A perereca-xxxx é encontrada no interior de matas próximas a campos rupestres do Quadrilátero Ferrífero, uma região ao sul da Serra do Espinhaço. Na época reprodutiva os machos desenvolvem um tipo de espinho nas mãos, que os ajudam a se segurar nas fêmeas. É uma espécie rara, e considerada quase ameaçada.

Hydromedusa maximiliani

Também conhecido como cágado-pescoço-de-cobra por causa do seu longo pescoço, esta espécie é considerada ameaçada de extinção em Minas Gerais. Os cágados-da-serra se deslocam poucos metros por dia e se alimentam principalmente de pequenos invertebrados.

Psilops paeminosus

É um pequeno lagarto geralmente encontrados no folhiço sob arbustos, por vezes se enterrando até 30 cm no solo. Possui cauda avermelhada e o nome vem das escamas bastante ásperas. Pouco se sabe sobre sua biologia, sendo considerada espécie deficiente em dados.

Philodryas laticeps

Descoberto em 1966, o lagartinho-do-Cipó é considerado uma espécie rara e ameaçada de extinção. Vive sob troncos caídos e em frestas de pedras nos campos rupestres a mais de 900 m de altitude.

Anfíbios da Serra do Espinhaço

Cágados e Jacarés da Serra do Espinhaço

Lagartos da Serra do Espinhaço

Serpentes da Serra do Espinhaço