Ordem:
Família:

Anura

Phyllomedusidae

Phyllomedusa tarsius

Ainda não encontramos.

Status de conservação:

IUCN:

Lista Nacional:

Projetos e ações

Ainda não encontramos.

Unidades de conservação

Ainda não encontramos.

DESCRIÇÃO​

Machos 62-89 mm, fêmeas 88-106 mm. O dorso é verde uniforme com textura granulosa. Os primei-ro e segundo dedos da mão são marrom-transparentes com a ponta branca, enquanto os demais dedos são verdes com a ponta marrom-acinzentada. O ventre é branco na parte anterior e marrom-alaranjado na parte posterior. A íris é vermelho-alaranjada, coberta por uma malha reticular negra. Phyllomedusa bicolor se diferencia de P. tarsius por possuir a íris cinza-escura e dedos dianteiros transparentes com grandes discos adesivos verdes na ponta. Phyllomedusa vaillanti se diferencia por possuir a íris cinza-prateada, região ventro-lateral do corpo roxa e discos ade-sivos dos dedos laranja ou roxo-escuro.

Localidade Tipo:

Ainda não encontramos.

Holótipo

Ainda não encontramos

Parátipos

Ainda não encontramos

Artigo de descrição

Variações da espécie / Morfotipos

Período de atividade:

Habitat

Ainda não encontramos.

Tamanho

Abundância

Venonoso

Ainda não encontramos

Ecologia e história natural

Reproduzem-se durante todo o ano em poças semi-permanentes ou permanentes, com pico nos meses mais chuvosos. Os machos vocalizam freqüentemente no alto de arbustos próximos a poças. As fêmeas depositam  aproximadamente 200 a 500 ovos não pigmentados em uma massa gelatinosa em folhas dobradas ou justapostas de galhos pendentes sobre poças. As folhas são dobradas com o auxílio do macho. Após 8-10 dias os girinos eclodem e caem na água, onde completam seu desenvolvimento até a metamorfose

Ameaças

Ainda não encontramos.

Etnobiologia

Ainda não encontramos.

Tipos de Ambientes

Ainda não encontramos.

Galeria de ambientes

Biomas / Eco-regiões

Amazônia

Vocalização

Descrição do canto

Ainda não encontramos

Variações de canto

Reprodução

Reproduzem-se durante todo o ano em poças semi-permanentes ou permanentes, com pico nos meses mais chuvosos. Os machos vocalizam freqüentemente no alto de arbustos próximos a poças. As fêmeas depositam  aproximadamente 200 a 500 ovos não pigmentados em uma massa gelatinosa em folhas dobradas ou justapostas de galhos pendentes sobre poças. As folhas são dobradas com o auxílio do macho. Após 8-10 dias os girinos eclodem e caem na água, onde completam seu desenvolvimento até a metamorfose

Sítios reprodutivos

Modo reprodutivo

Época reprodutiva

Tipo de desenvolvimento

Direto, ou seja, sem a presença de girinos.

Girinos

História Natural

Ainda não encontramos.
Ainda não encontramos.

Morfologia

Ainda não encontramos.
Ainda não encontramos.
Ainda não encontramos.
Ainda não encontramos.
Ainda não encontramos.
Ainda não encontramos.
Ainda não encontramos.
Ainda não encontramos.

Créditos

Fotografias

Ilustrações

Gabriela Luiza de Deus

Vocalizações

Colaborador da página

Guia de Sapos da Reserva Adolpho Ducke, Amazonia Central by Lima et al. 2005