Ordem:
Família:

Anura

Odontophrynidae

Odontophrynus carvalhoi

Sapo-verruga-do-Carvalho

Status de conservação:

IUCN:

Lista Nacional:

Projetos e ações

Aguardando essa informação.

Unidades de conservação

Ainda não encontramos.

DESCRIÇÃO​

Superfícies superiores da cabeça, corpo e membros castanho claro, manchadas de marrom escuro; manchas dorsais não bem definidas. Lado da cabeça e lábio superior marcados com manchas escuras definidas e áreas claras alternadas. O ventre é branco amarelado com manchas verdes consideráveis, especialmente na garganta. Savage and Cei (1965)

Localidade Tipo:

Poção, Pernambuco, Brasil

Holótipo

MNRJ-313

Parátipos

Aguardando essa informação.

Artigo de descrição

Variações da espécie / Morfotipos

Ecologia e história natural

Essa espécie, de hábito terrestre e coloração críptica, apresenta inúmeras glândulas espalhadas no dorso, glândulas paratóides evidentes e tubérculo metatarsal interno modificado em forma de “pá”, característica que permite o animal se enterrar, evitando o ressecamento. Além disso, esse comportamento de escavação pode ser usado como um mecanismo de defesa. Dados de história natural e ecologia da espécie ainda são escassos. As larvas foram observadas em ambientes lênticos, com profundidade média de 1 m e em ambientes lóticos, com profundidade de aproximadamente 20 cm, formados no período chuvoso. Nas poças, os indivíduos permaneciam tanto no fundo como na superfície dos corpos d’água, sem formar cardumes; nos córregos, nadavam contra a correnteza. (Júnior & Santos 2017)
A presença de chuva é o gatilho ambiental para espécies que utilizam ambientes temporários para se reproduzirem (Ramos, 2010), uma vez que a disponibilidade de sítios aquáticos para reprodução é maior durante a estação chuvosa.
Corpos d’água, com profundidade média de 15 cm; solo úmido com algumas rochas e folhiço e vegetação herbácea. (Júnior & Santos 2017).

Ameaças

Aguardando essa informação.

Etnobiologia

Aguardando essa informação.

Tipos de Ambientes

É encontrado nas regiões semi-áridas e florestas úmidas do litoral brasileiro. Sendo na Mata Atlântica e no Cerrado do norte de Minas Gerais ao Pernambuco e na Caatinga dos estados do Ceará e Piauí. Endêmico do Brasil.
A espécie ocupa áreas associadas a ambientes temporários lóticos e lênticos, com presença de vegetação. É um generalista em relação ao uso dos microhabitats como, na serrapilheira, entre a vegetação herbácea, no solo (seco a enlameado), enterrados na lama e entre as rochas. (Júnior & Santos 2017).

Galeria de ambientes

Biomas / Eco-regiões

Caatinga, Cerrado, Mata Atlântica

Vocalização

Descrição do canto

Foi registrado amplexo axilar (Júnior & Santos 2017).

Variações de canto

Reprodução

Essa espécie, de hábito terrestre e coloração críptica, apresenta inúmeras glândulas espalhadas no dorso, glândulas paratóides evidentes e tubérculo metatarsal interno modificado em forma de “pá”, característica que permite o animal se enterrar, evitando o ressecamento. Além disso, esse comportamento de escavação pode ser usado como um mecanismo de defesa. Dados de história natural e ecologia da espécie ainda são escassos. As larvas foram observadas em ambientes lênticos, com profundidade média de 1 m e em ambientes lóticos, com profundidade de aproximadamente 20 cm, formados no período chuvoso. Nas poças, os indivíduos permaneciam tanto no fundo como na superfície dos corpos d’água, sem formar cardumes; nos córregos, nadavam contra a correnteza. (Júnior & Santos 2017)
A presença de chuva é o gatilho ambiental para espécies que utilizam ambientes temporários para se reproduzirem (Ramos, 2010), uma vez que a disponibilidade de sítios aquáticos para reprodução é maior durante a estação chuvosa.
Corpos d’água, com profundidade média de 15 cm; solo úmido com algumas rochas e folhiço e vegetação herbácea. (Júnior & Santos 2017).

Sítios reprodutivos

Modo reprodutivo

Época reprodutiva

Janeiro, Fevereiro, Março, Novembro, Dezembro

Tipo de desenvolvimento

Girinos

História Natural

Aguardando essa informação.
Aguardando essa informação.
Aguardando essa informação.

Morfologia

Aguardando essa informação.
Ainda não encontramos.
Aguardando essa informação.

Créditos

Fotografias

Samuel Ribeiro

Ilustrações

Vocalizações

Colaborador da página

Álvaro Drumond Araújo
VIA: UFMG
SAVAGE, J. M., AND J. M. CEI. 1965. A REVIEW OF THE LEPTODACTYLID FROG GENUS ODONTOPHRYNUS LISBOA, B. S., U. G. DA SILVA, AND C. F. B. HADDAD. 2010. AMPHIBIA, ANURA, CYCLORAMPHIDAE, ODONTOPHRYNUS CARVALHOI SAVAGE AND CEI, 1965: DISTRIBUTION EXTENSION AND GEOGRAPHIC DISTRIBUTION MAP
https://amphibiansoftheworld.amnh.org/Amphibia/Anura/Odontophrynidae/Odontophrynus/Odontophrynus-carvalhoi
E. F. da Costa, F. A. C. do Nascimento, M. M. Júnior & E. M. dos Santos (2017). Aspectos de vida de Odontophrynus carvalhoi Savage & Cei, 1965 (Amphibia, Anura, Odontophrynidae) em um brejo de altitude no Nordeste brasileiro