Ordem:
Família:

Anura

Leptodactylidae

Leptodactylus pentadactylus

Ainda não encontramos.

Status de conservação:

IUCN:

Lista Nacional:

Projetos e ações

Ainda não encontramos.

Unidades de conservação

Ainda não encontramos.

DESCRIÇÃO​

Machos 113-135 mm, fêmeas 122-155 mm. O dorso é castanho-avermelhado, com 5 ou 6 manchas transversais marrom-escuras entre as duas pregas dorsolaterais. O ventre e a parte inferior das pernas e braços têm manchas brancas sobre fundo acinzentado. Uma faixa negra vai desde a ponta do focinho, passando pelos olhos, estendendo-se ligeiramente curvada ao longo de uma prega sobre o tímpano pela lateral do corpo. Machos em atividade reprodutiva têm espinhos nos polegares e coloração avermelhada nas laterais do corpo. A íris dos adultos tem a parte superior de cor bronze e a inferior alaranjada

Localidade Tipo:

Ainda não encontramos.

Holótipo

Ainda não encontramos

Parátipos

Ainda não encontramos

Artigo de descrição

Variações da espécie / Morfotipos

Período de atividade:

Habitat

Ainda não encontramos.

Tamanho

Abundância

Venonoso

Ainda não encontramos

Ecologia e história natural

São encontrados principalmente na margem de igarapés. Alimentam-se de grilos, aranhas, escorpiões, besouros etc. Na temporada reprodutiva os adultos migram para áreas mais altas, afastadas de igarapés, onde os machos vocalizam. A fêmea deposita os ovos em um ninho de espuma em uma cavidade construída pelo macho. Aparentemente as larvas se desenvolvem completamente dentro do ninho de espuma, indicando que esta espécie não necessita de poças para a reprodução.

Ameaças

Ainda não encontramos.

Etnobiologia

Ainda não encontramos.

Tipos de Ambientes

Ainda não encontramos.

Galeria de ambientes

Biomas / Eco-regiões

Amazônia

Vocalização

Descrição do canto

Ainda não encontramos

Variações de canto

Reprodução

São encontrados principalmente na margem de igarapés. Alimentam-se de grilos, aranhas, escorpiões, besouros etc. Na temporada reprodutiva os adultos migram para áreas mais altas, afastadas de igarapés, onde os machos vocalizam. A fêmea deposita os ovos em um ninho de espuma em uma cavidade construída pelo macho. Aparentemente as larvas se desenvolvem completamente dentro do ninho de espuma, indicando que esta espécie não necessita de poças para a reprodução.

Sítios reprodutivos

Modo reprodutivo

Época reprodutiva

Tipo de desenvolvimento

Direto, ou seja, sem a presença de girinos.

Girinos

História Natural

Ainda não encontramos.
Ainda não encontramos.

Morfologia

Ainda não encontramos.
Ainda não encontramos.
Ainda não encontramos.
Ainda não encontramos.
Ainda não encontramos.
Ainda não encontramos.
Ainda não encontramos.
Ainda não encontramos.

Créditos

Fotografias

Diego Santana

Ilustrações

Gabriela Luiza de Deus

Vocalizações

Colaborador da página

Guia de Sapos da Reserva Adolpho Ducke, Amazonia Central by Lima et al. 2005