Ordem:
Família:

Anura

Hylidae

Aplastodiscus lutzorum

Perereca-ventríloca-da-mata

Status de conservação:

IUCN:

Lista Nacional:

Projetos e ações

Ainda não encontramos.

Unidades de conservação

Ainda não encontramos.

DESCRIÇÃO​

Ainda não encontramos.

Localidade Tipo:

Ainda não encontramos.

Holótipo

Ainda não encontramos

Parátipos

Ainda não encontramos

Artigo de descrição

Variações da espécie / Morfotipos

Ecologia e história natural

Aplastodiscus lutzorum pode ser encontrada vivendo no interior de Matas de galeria alagadas e com presença de buritis (Mauritia flexuosa) (Brandão & Araujo 2002, Morais et al. 2012, Santoro & Brandão 2014, Berneck et al. 2017) e, ocasionalmente, em áreas abertas, próximos a córregos com pouca correnteza (Bastos et al. 2003). De acordo com Berneck et al. (2017). Aplastodiscus lutzorum apresenta canto de anúncio 2,5 vezes mais longo do que A. perviridis, semelhante a longos assovios, emitido em grupos de 1 a 11 notas, com elevada taxa de emissão (140 cantos por minuto). O canto dura entre 0,12 a 0,15 s, com picos de energia entre 1,587 e 1,806 Hz e entre 2,419 e 2,750 Hz. Fêmeas grávidas foram observadas em meados de dezembro e os machos vocalizam entre dezembro e março. Os machos vocalizam próximo a riachos, empoleirados em folhas ou ramos, desde o nível do chão até 5m de altura.

Ameaças

Ainda não encontramos.

Etnobiologia

Ainda não encontramos.

Tipos de Ambientes

Ainda não encontramos.

Galeria de ambientes

Biomas / Eco-regiões

Cerrado

Vocalização

Descrição do canto

Ainda não encontramos

Variações de canto

Reprodução

Aplastodiscus lutzorum pode ser encontrada vivendo no interior de Matas de galeria alagadas e com presença de buritis (Mauritia flexuosa) (Brandão & Araujo 2002, Morais et al. 2012, Santoro & Brandão 2014, Berneck et al. 2017) e, ocasionalmente, em áreas abertas, próximos a córregos com pouca correnteza (Bastos et al. 2003). De acordo com Berneck et al. (2017). Aplastodiscus lutzorum apresenta canto de anúncio 2,5 vezes mais longo do que A. perviridis, semelhante a longos assovios, emitido em grupos de 1 a 11 notas, com elevada taxa de emissão (140 cantos por minuto). O canto dura entre 0,12 a 0,15 s, com picos de energia entre 1,587 e 1,806 Hz e entre 2,419 e 2,750 Hz. Fêmeas grávidas foram observadas em meados de dezembro e os machos vocalizam entre dezembro e março. Os machos vocalizam próximo a riachos, empoleirados em folhas ou ramos, desde o nível do chão até 5m de altura.

Sítios reprodutivos

Modo reprodutivo

Época reprodutiva

Tipo de desenvolvimento

Girinos

História Natural

Ainda não encontramos.
Ainda não encontramos.
Ainda não encontramos.

Morfologia

Ainda não encontramos.
Ainda não encontramos.
Ainda não encontramos.
Ainda não encontramos.
Ainda não encontramos.
Ainda não encontramos.
Ainda não encontramos.
Ainda não encontramos.

Créditos

Fotografias

Ilustrações

Gabriela Luiza de Deus

Vocalizações

Colaborador da página

Guia de identificação das espécies de anfíbios (Anura e Gymnophiona) do estado de Goiás e do Distrito Federal, Brasil Central