Ordem:
Família:

Anura

Leptodactylidae

Adenomera cotuba

Rãzinha-do-brejo

Status de conservação:

IUCN:

Lista Nacional:

Projetos e ações

Ainda não encontramos.

Unidades de conservação

Ainda não encontramos.

DESCRIÇÃO​

Espécie de tamanho pequeno (CRC em média de 19,7 mm em machos), e corpo muito robusto, com dorso glandular/granular e ausência de linhas dorsais granulares ou pregas dorsolaterais. Apresenta coloração dorsal escura ou preta, sem padrões de cores distintas. As pontas dos artelhos não são desenvolvidas em discos achatados. Considerando as espécies com ocorrência para o estado de Goiás, Adenomera cotuba difere de A. saci, por apresentar linhas dorsolaterais glandulares pouco conspícuas (mais conspícuas e evidentes em A. saci), se distingue de A. juikitam por apresentar padrão de coloração dorsal diversa (cinza avermelhada em A. juikitam).

Localidade Tipo:

Teresina de Goiás, região da Chapada dos Veadeiros, Norte de Goiás

Holótipo

Ainda não encontramos

Parátipos

Ainda não encontramos

Artigo de descrição

Variações da espécie / Morfotipos

Ecologia e história natural

“Adenomera cotuba ocorre em habitats de Cerrado do Brasil Central associada a rochas calcárias e solos arenosos na borda ou dentro de ambientes parcialmente sombreados. Os indivíduos cantam expostos ou sobre a serapilheira. Os machos podem emitir seus cantos por revezamento, sendo este padrão de emissão percebido como uma “onda” que passa pelo observador. Um macho vocalizante excita o macho mais próximo e assim por diante, fazendo com que seja possível prever quando um determinado macho irá começar a cantar baseado na aproximação da onda de chamada mais próxima. Este fenômeno pode ser classificado como canto de briga uníssono (Carvalho & Giaretta 2013). O canto de anúncio desta espécie consiste de séries de notas bem definidas, no qual 7 a 32 notas podem ser observadas (Carvalho & Giaretta 2013). Em média, as séries de notas têm duração de 8,3 s, sendo emitidas a uma taxa média de 1,1 série por minuto (Carvalho & Giaretta 2013). Cada nota possui, em média, 11,6 ± 0,9 pulsos (Carvalho & Giaretta 2013). A média da frequência dominante do canto é de 1780 Hz (Carvalho & Giaretta 2013).”

Ameaças

Ainda não encontramos.

Etnobiologia

Ainda não encontramos.

Tipos de Ambientes

Ainda não encontramos.

Galeria de ambientes

Biomas / Eco-regiões

Cerrado

Vocalização

Descrição do canto

Ainda não encontramos

Variações de canto

Reprodução

“Adenomera cotuba ocorre em habitats de Cerrado do Brasil Central associada a rochas calcárias e solos arenosos na borda ou dentro de ambientes parcialmente sombreados. Os indivíduos cantam expostos ou sobre a serapilheira. Os machos podem emitir seus cantos por revezamento, sendo este padrão de emissão percebido como uma “onda” que passa pelo observador. Um macho vocalizante excita o macho mais próximo e assim por diante, fazendo com que seja possível prever quando um determinado macho irá começar a cantar baseado na aproximação da onda de chamada mais próxima. Este fenômeno pode ser classificado como canto de briga uníssono (Carvalho & Giaretta 2013). O canto de anúncio desta espécie consiste de séries de notas bem definidas, no qual 7 a 32 notas podem ser observadas (Carvalho & Giaretta 2013). Em média, as séries de notas têm duração de 8,3 s, sendo emitidas a uma taxa média de 1,1 série por minuto (Carvalho & Giaretta 2013). Cada nota possui, em média, 11,6 ± 0,9 pulsos (Carvalho & Giaretta 2013). A média da frequência dominante do canto é de 1780 Hz (Carvalho & Giaretta 2013).”

Sítios reprodutivos

Modo reprodutivo

Época reprodutiva

Tipo de desenvolvimento

Indireto, ou seja, com a presença de girinos.

Girinos

História Natural

Ainda não encontramos.
Ainda não encontramos.
Ainda não encontramos.

Morfologia

Ainda não encontramos.
Ainda não encontramos.
Ainda não encontramos.
Ainda não encontramos.
Ainda não encontramos.
Ainda não encontramos.
Ainda não encontramos.
Ainda não encontramos.

Créditos

Fotografias

Thiago Ribeiro de Carvalho

Ilustrações

Gabriela Luiza de Deus

Vocalizações

Colaborador da página

Guia de identificação das espécies de anfíbios (Anura e Gymnophiona) do estado de Goiás e do Distrito Federal, Brasil Central