Taxonomia

Ordem: Anura
Família: Allophrynidae
Grupo: Allophryne
Espécie: Allophryne relicta Caramaschi, Orrico, Faivovich, Dias & Sole, 2013

Nome popular: Rã do brejo

Nomenclaturas antigas:

Sobre o nome da espécie:
O epíteto específico, “relicta”, vem do latim e significa “abandonado” ou “esquecido”. Se trata de uma alusão à ocorrência de novas espécies associadas à “Hileia Bahiana”, ou Mata dos Tabuleiros, uma parte da Mata Atlântica em muitos pontos semelhantes a Floresta Amazônia.

Descrição

Informações

Uruçuca,
Bahia

Holotipo: MNRJ 75468
Parátipos:
MNRJ 75469-75471;
MNRJ 84047-84048;
CFBH 29207-29209;
MZUESC 9225-9227

Diagnose

A nova espécie é atribuída ao gênero Allophryne por causa de evidências moleculares e as seguintes combinações de caracteres morfológicos:

– Ausência de processo metacarpal III;

– Falanges terminais em forma de T;

– Ossos tíbia e fíbula não fundidos;

– Ausência de neopalatinos e quadratojugais;

– Focinho saliente em vista lateral.

Nenhum desses caracteres morfológicos indicam sinapomorfia de Allophryne.

 

 

A nova espécie é diagnosticada pela seguinte combinação de características:

(1)  Tamanho médio para o gênero é na faixa de SVL = 19.9–21.9 mm em machos;
(2)  Cabeça larga: HW cerca de 35% de SVL;
(3)  Olhos grandes e proeminentes, cor vermelho-alaranjado, com uma grande faixa preta transversal na íris;
(4)  Dorso coberto por poucos tubérculos e muitos pontos pretos espalhados
(5)  Presença de uma linha de tubérculos na superfície ventro-lateral do antebraço (tubérculos lunares de Castroviejo-Fisher et al., 2012
(6)  webbing formula” nos pés: I 0+–2½ II 1–2 III 1½–2½ IV 3½–2 V.
(7)  Superfícies dorsolaterais na cor creme com marrom escuro, alongado, listras anastomosadas e ventre cinza claro com pequenos tubérculos brancos espalhados;

Variações da espécie / Morfotipos

Ecologia e história natural

Espécimes de Allophryne relicta foram encontradas após fortes chuvas. Pequenas aglomerações de 10 a 20 indivíduos em folhas de arbustos nas margens de um fluxo de água temporário de aproximadamente 2 m de largura. Os indivíduos permaneceram no curso de água por um período de tempo curto.

Ativos apenas no período noturno com chuvas torrenciais que resultaram no enchimento da poça temporária. Na noite seguinte às chuvas fortes, apenas poucos machos se encontraram esporadicamente no sítio de vocalização, o que tornou o territorialismo difícil de determinar. O fluxo que surgiu anteriormente secava e permaneciam apenas algumas poças.

Assim, a reprodução é explosiva. Esse fato pode explicar o porquê de essa espécie não ter sido descoberta em estudos anteriores conduzidos na região.

Resumo

  • Tamanho
  • Habitat
  • Freqüência
  • Atividade
  • Venenoso
  • Hábito
  • Endemismo
  • Sítio de canto
  • Ameaça

Tipo de desenvolvimento

Reprodução

Modo reprodutivo

Sítios reprodutivos

Machos de Allophryne relicta vocalizaram em vegetação herbácea e arbustiva entre 20 cm e 120 cm de altura nas margens de um fluxo de água temporário, em uma plantação de cacau.

Época reprodutiva

anuall.png

Vocalização

Descrição do canto

Canto de anúncio formado por uma nota multipulsada de 0,029 +/- 0509 s (intervalo 0.448–0.565 s) em duração, emitida em intervalos de 1.287 +/- 0.500 s (0,745-4,213 s), com notas compostas por 25- 32 pulsos (X = 28,58 +/- 1,84) e tendo uma frequência dominante de 3828 +/- 82,28 Hz (faixa = 3750–3962 Hz). A emissão de notas taxa foi de 34,46 notas/min e o pulso taxa de emissão média de 56,13 +/- 1,25 s (50,51–59,39 s).

Girinos

Distribuição Geográfica

Conhecida apenas a partir da localidade- tipo, em Uruçuca, Bahia, leste do Brasil.

Informações

 

Biomas / Eco-regiões

  • Amazônia
  • Caatinga
  • Cerrado
  • Mata Atlântica
  • Pantanal
  • Pampa

Tipos de Ambientes

Geralmente encontrada em cursos de riachos temporários, nas bordas de matas secundárias. Não foram vistas no interior de áreas florestadas.

Galeria de ambientes

cloudforest-profile.jpg

Ameaças

Perda e degradação de habitat por construção de estradas e plantações (pastos).

Etnobiologia

Unidades de conservação

Galeria de fotos

Créditos

Fotografias

Ilustrações

Vocalizações


Via: H…

Colaborador da página

Leticia Watanabe
Via: Herpeto Capixaba

Caramaschi, Ulisses, et al. “A new species of Allophryne (Anura: Allophrynidae) from the Atlantic rain forest biome of eastern Brazil.” Herpetologica 69.4 (2013): 480-491.